Aula aberta com Priscilla Duarte: Modelando o cântaro ou o teatro como artesanato

 

 

Nesta quarta-feira, dia 13 de dezembro, acontecerá a última atividade do Teia do Barro em 2017. Laila Kierulff convida Priscilla Duarte para falar de sua experiência com a modelagem no palco. Das 10 às 12h na sala 7, na Escola Guignard-UEMG. Apresentação aberta ao público.

O que este barro esconde e mostra é o trânsito do ser no tempo (…)
(A caverna, de José Saramago)

O que aproxima a arte do ator à arte da cerâmica? Como o barro, o corpo do ator é
matéria de potência, que se deixa atravessar por forças que o ultrapassam. Corpo e voz,
movimento e palavra, som e silêncio: elementos que vão se modelando, no torno da cena,
para tornar visível o invisível.
Nessa conversa, pretende-se compartilhar parte do processo de criação de O cântaro, ou
o amor possível — livre adaptação do romance A caverna, de Saramago —, experimento
cênico de Priscilla Duarte (em parceria com o diretor francês François Kahn), e as
questões que dele emergem, no âmbito do doutorado em Artes da Cena, desenvolvido
pela atriz/pesquisadora, sobre o tema A arte do ator na maturidade.

Priscilla Duarte é atriz, preparadora corporal e vocal, e figurinista do Teatro Diadokai
(desde 1996); doutoranda em Artes, na linha de pesquisa Artes da Cena (EBA/UFMG,
desde 2015), bolsista FAPEMIG e PDSE-CAPES, com o projeto de pesquisa “A arte do
ator na maturidade"; mestre em Artes (EBA/UFMG, 2014), bolsista FAPEMIG, com a
dissertação “O treinamento do ator: do corpo como instrumento ao corpo como
experiência”; e bacharel em Artes Cênicas (UNIRIO – 1987). Foi atriz do Teatro Tascabile
di Bergamo (Itália), de 1989 a 1994, e atriz-colaboradora de 2003 a 2007. De 2010 a
2012, foi professora substituta de Expressão Corporal na UFOP (MG).